Dia 23 de Maio o projeto “O Gerêsfoi tornado público, uma realidade no universo facebookiano criado por alguns fervorosos apaixonados pelo território envolvente do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Por diversas vezes já nos questionaram o porquê de termos escolhido um nome tão especifico e não tão abrangente? Para a população global “O Gerês” é visto como um todo, não como a Serra do Gerês, mas como todos os locais que envolvem o Parque. Diriam neste momento os acérrimos que estamos a cometer uma gafe contextual, no entanto, e visto que seguimos muitas vezes as vontades não apenas das populações, mas também dos visitantes, poucos são os que realmente se importam com tal relevância, embora por vezes possa gerar algumas conversas de café sobre o tema, o que continuamos a achar legítimo, pois a serra Amarela, a serra do Soajo e a serra da Peneda devem ter a sua identidade. Mas porquê apenas então Parque Nacional da Peneda-Gerês e não Parque Nacional da Amarela-Gerês-Peneda-Soajo? Enfim, provavelmente na hora de decidir deverá ter prevalecido a racionalidade do espaço, e assim a nossa escolha foi mesmo por aí, o Gerês como um todo, e de fácil identidade, não desmistificando cada uma das quatro Serras do Parque.

14523197_1799956260252199_328882863786607005_n

Qual a ideologia base do projeto O Gerês? Para muitos, mais uma página com um design apelativo, com fotografias bonitas sobre o Parque Nacional, quanto à realidade, bem diferente do que possam conjeturar, o projeto contempla uma versão forte a nível de imagem, é uma realidade, fotografias dos chamados quatro cantos do Gerês colocados a nu na nossa página do Facebook, na maior parte das vezes com descritivos dos locais, sem qualquer tipo de referência de GPS, embora nos incitem cada vez mais a tornarmos públicas essas coordenadas. Nessa descrição normalmente vem o nome do local e muitas das vezes uma explicação da fauna e da flora do Parque. Mas a nossa comunidade nasceu mesmo para isso, e quem somos é essa decisão intrínseca, mostrar os locais remotos que têm um nome, uma identidade, juntar com os que o publico em geral já conhecem, e através de texto povoar o mapa do Parque Nacional que realmente poucos conhecem, ou sequer têm uma noção da sua vasta área, dar a conhecer o nome das suas desconhecidas montanhas, das suas anónimas fechas e poços ou lagoas e cascatas, como lhe queiram chamar.

Mas o suporte do Facebook foi o abrir de portas, criar uma comunidade como a que criamos veio tornar as coisas satisfatórias, com os surpreendentes resultados que obtivemos com um crescimento desmesurado que admitimos, e focados em algo mais transcendente, muito mais além da publicação de fotografias a cru e dos seus locais. Este momento está a ser ultrapassado, e a prova disto será este novo ícone do nosso projeto, algo que já há muitos meses tínhamos em mente, acima mesmo de qualquer página do Facebook, um website especializado em dar a conhecer o Parque Nacional da Peneda Gerês, desenhado com um layout de suporte à pagina do Facebook onde detalharemos muito mais do que simples fotografia. Queremos incidir em estudos do Parque, queremos prevenir quedas e sujidade dos espaços no Verão, evitar os incêndios, pressionar para evitar a caça furtiva, pressionar os organismos estatais com os meios que teremos para fortificar o nosso património natural. Ajudar as populações, criar projetos que visem melhorar o turismo qualitativamente e dividir quantitativamente de forma a que todos possam usufruir dele e que não seja exaustivo para algumas regiões como o é e inexistente para outras que se prepararam igualmente para o receber.

O projeto visa requalificar zonas verdes, ajudar a Quercus na reflorestação de Matas como é o caso do Ramiscal em Zonas de Proteção Total, denunciar se for o caso disso a inercia dos organismos, ou sobrelevar os problemas das aldeias que fazem parte ou fronteira com o Parque Nacional. O projeto visa isto tudo, e como é obvio alargar aos portugueses a verdadeira dimensão deste património como já referimos no texto.

Com quem contamos para este projeto? Para além de estarmos ligados neste momento a vários ecologistas, a vários historiadores que amplamente nos têm dado a visão que precisamos para todas as nossas empreitadas, ainda estamos ligados a bons fotógrafos ligados ao Parque Nacional, que circulam conhecendo a Fauna e a Flora e alguns dos quais com trabalhos em revistas de relevo internacional como é por exemplo o caso da National Geographic. Alguns jornalistas já seguem o nosso trabalho, já fomos lançados em alguns meios de comunicação social locais e brevemente nacionais e internacionais. O nosso Staff é dotado de apaixonados ligados à Geografia, ao estudo da Fauna, alguns ligados também à fotografia, quase todos com imensas horas semanais dentro da área do Parque Nacional que percorrem de lés a lés, de noite, de dia, debaixo de situações climatéricas extremas sempre com o intuito de se aprofundarem no conhecimento deste espaço que é mesmo preciso percorrer quantas vezes forem necessárias para se conhecer bem a sério. E são poucos os que têm tanta riqueza pessoal semiprofissional juntos a trabalhar no mesmo sentido.

14884649_1798215770426248_7806763874147078185_o

Resumindo, a comunidade O Gerês é um projeto ambicioso da autoria de Júlio Marques, que se apaixonou pela terra, que a percorre igualmente como todos os restantes membros do Staff, que têm uma fervorosa vontade de tornarem o Parque Nacional da Peneda-Gerês um marco de orgulho nacional no panorama natural, mas que pretendem fazer agitar as águas necessárias para que a gestão do parque cuide preciosamente deste filho de todos nós, que não marginalizem os seus visitantes, nem negligenciem os seus habitantes, quer do ponto de vista humano como do ponto de vista de todos os seres que nele estão inseridos. Queremos e vamos fazer todos os esforços com as entidades competentes e como porta voz de todos os milhares de pessoas que nos seguem semanalmente para que ninguém se desleixe no cuidar do nosso santuário.

Júlio Marquez


Comentários